domingo, 6 de setembro de 2009

Detalhes

A cortina do quarto é uma veneziana horizontal lilás. Encontra-se suspensa. A claridade acinzentada da manhã entra pela janela revelando um dia feio. Feio? Não necessariamente. Dias nublados e com cara de chuva podem ter sua beleza singular e idiossincrática.
Uma foto daquele quarto não serviria para ilustrar páginas de revista. Lençóis, edredom embaralhados na cama. Dois travesseiros também embaralhados na cama e um terceiro caído no chão. Criado-mudo com pelo menos duas dezenas de livros empilhados. Uma verdadeira mistura de títulos, autores assuntos: de Shakespeare a Freud, De Fernando Morais a Tólstoi, de Eragon a Dom Casmurro. Pequena escrivaninha com montanhas de papéis rabiscados, amassados, rasgados, mais lápis, borracha, caneta. Eram rascunhos, resumos, escritos do dia anterior. Na cadeira, uma calça jeans e uma regata verde-esmeralda. Tênis embaixo da cama. Caneca d´água ao lado da pilha de livros. Almofada redonda e vermelha no canto com um gato amarelo sentado em cima.
Barulho de torneira. Cessa. barulho de descarga. Cessa. Barulho de chuveiro por uns dez minutos. Cessa.
Passos se aproximando. A personagem entra no quarto. Pega as roupas sobre a cadeira e veste-se, jogando a toalha molhada na cama. Nem encosta nos tênis à sua vista. Abre o armário. Pega um chinelo de borracha. Rosa-choque. Quem foi que disse que a personagem se preocupa em combinar cores? Idiossincrasia. Combinar cores é coisa de gente comum. Abre uma gaveta e pega uma bolsa laranja. Dentro, enfia o lápis, a borracha, os escritos e alguns papéis em branco.
Passos se afastando. A personagem está saindo do quarto.
A cozinha. Pão de forma integral em cima da mesa. Queijo minas e geléia de amora na geladeira. A personagem faz um sanduíche. Enche um copo com leite. Puro. Toma seu café da manhã.
O dia está apenas começando.

4 comentários:

Carolda disse...

dorei o jogo de palavras, me vi no cenário descrito. Aliás, estou com fome. Geleia de amora me pareceu deliciosa no momento (:

Eloisa Faccio disse...

Eu gosto de encontrar esses textos pelos blogs, todos descrevendo as primeiras horas do dia. Consigo até sentir a claridade nos olhos.

Meu beijo.

Samara disse...

Ok, pode não ilustrar uma revista de arquitetura, mas queria um quarto assim e um dia-a-dia assim tb. ótimo, Ju! Saudades!

Laís disse...

Gostei do quarto, ótimo.

©2007 '' Por Elke di Barros